0
Obrigado

Algumas palavras de agradecimento nunca são demais.

Sopro no coração: um alerta de que algo não vai bem

Sopro no coração pode decorrer de doenças congênitas, mal funcionamento de válvulas do coração ou até mesmo de simples febre

Saiba mais sobre o sopro no coração.


O sopro no coração, embora não seja uma doença, pode ser um alerta do corpo de que o coração não vai bem. De acordo com Marisa Amato, cardiologista do Amato Instituto de Medicina Avançada, o sopro é caracterizado por um ruído diferente do habitual, o que significa que o sangue está passando por um orifício menor do que deveria. “O ruído pode ser auscultado (ouvido) durante um exame físico”, explica a médica. 

As causas para o surgimento do sopro no coração podem ser desde as mais simples, chamadas de fisiológicas (sopro inocente) e que desaparecem com o tempo, ou podem decorrer de doenças congênitas e lesões valvares

No caso das causas congênitas, o sopro no coração costuma ser identificado logo que a criança nasce. Os  problema está relacionadas ao mal funcionamento de uma das quatro valvas - ou válvulas -  do coração. 

Um outro exemplo de causa do sopro no coração é a doença reumática, uma sequela de infecção de garganta capaz de causar outras inflamações. Especialmente no coração, vasos sanguíneos e articulações. 

Sopro no coração em crianças

Segundo a Dra. Marisa, é chamado de sopro inocente quando o sopro no coração é ocasionado por febres, anemia, hipotireoidismo, gravidez e exercício físico, mas estes casos não são considerados graves e podem ser tratados corrigindo-se a causa da aceleração do sangue. 

Nas crianças, o sopro pode ocorrer durante o seu crescimento, quando há a mudança de conformação do tórax. Neste caso, o sopro no coração  pode permanecer a vida inteira, sem nenhuma manifestação significativa.

Entretanto, crianças que nascem com doenças congênitas e com sopro, na maioria dos casos, precisam de correção cirúrgica ainda no hospital ou maternidade em que nasceram.

De acordo com a especialista, existe ainda o sopro no coração causado por traumas, que podem levar a lesão das valvas cardíacas e  a doenças degenerativas. Um infarto ou a própria  degeneração do sistema cardíaco por envelhecimento são alguns exemplos.

Diagnóstico e tratamento

Os sopros fisiológicos são assintomáticos. Porém, sopros decorrentes de doenças podem apresentar sintomas, o que vai depender da causa da doença, gravidade, tempo de evolução e do fato de ser aguda ou crônica. No caso de uma lesão traumática aguda, os sintomas são graves, como arritmias, e síncopes, podendo levar, inclusive, à morte súbita.

Nas doenças congênitas, o sopro pode ser assintomático e dispensar a necessidade de tratamento ou apresentar sintomas tais como a arritmia cardíaca. Em casos mais sérios, explica a especialista, pode ser necessária a intervenção cirúrgica imediata.

O diagnóstico, explica a Dra. Marisa, dependerá da história clínica do paciente, exame físico e pelas próprias características do sopro. O eletrocardiograma colabora para confirmar algumas alterações e o exame de ecodoplercardiograma colorido auxilia para confirmar o achado auscultatório.

Em relação ao tratamento, a especialista explica que, caso se trate de sopros consequentes a algum defeito valvar ou congênito, além da correção cirúrgica, também existem medicamentos para diminuir os sintomas, as alterações secundárias e postergar o momento da cirurgia.

 “O momento adequado para a correção cirúrgica varia conforme cada caso”, finaliza a cardiologista. O recomendado é sempre procurar um médico especialista em cardiologia.

Copyright foto: iStock

Publicado por . Última modificação: por oRedacao.

Este documento, intitulado 'Sopro no coração: um alerta de que algo não vai bem', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A Revista Da Mulher (https://www.arevistadamulher.com.br/) ao utilizar este artigo.
Adicionar comentário

Comentário

Comentar a resposta do usuário anônimo