0
Obrigado

Maternidade após os 40 anos é cada vez mais natural

Mulheres que adiam a decisão de ter filhos por motivos diversos, desde o foco na carreira até o encontro de um novo amor, são a prova de que é possível ser mãe na maturidade

Mães de 40 anos ou mais costumam amamentar por mais tempo e escolher alimentos mais saudáveis para os filhos.


Gerando muita discussão na mídia, Carolina Ferraz anunciou em novembro de 2014 que estava grávida aos 45 anos de sua segunda filha, Anna Izabel. Saudável e bonita durante toda a gestação, a atriz é apenas um exemplo de uma tendência mundial: cada vez mais mulheres optam por ter filhos após os 40.

Mães de primeira viagem ou não, elas adiam a maternidade para se dedicar a outros projetos de vida, como estudos ou carreira profissional. Mas a decisão também é tomada em função de motivos ainda mais pessoais, como o fato de se sentirem melhor preparadas para a função ou inspiradas a aumentar a família a partir de novos relacionamentos. Foi o caso de Carolina Ferraz, que já tinha uma filha de 19 anos quando a mais nova nasceu. 

Já a jornalista Paula Autran, de 44 anos e grávida de 6 meses, viveu o adiamento da maternidade em função de outras prioridades. "Não fui uma menininha que sonhava em ser mãe desde pequena, quando brincava de bonecas. Meus sonhos de menina eram me formar, trabalhar e viajar muito", conta. 

Focada, Paula conseguiu realizar todos os seus objetivos até a faixa dos 30 anos. Trabalhou em redações de grandes jornais e viajou quase o mundo inteiro. Quando sentiu o que ela mesma chama de "tic-tac do relógio", não tinha um relacionamento firme e ela prosseguiu com a vida de trabalho e viagens.

"Mas eis que, após os 40 anos, 'o cara' chegou", relata a jornalista, fazendo referência ao seu companheiro, Renée Rocha, que já tem uma filha de 9 anos, fruto de um casamento anterior. Pouco mais de seis meses depois de terem decidido morar juntos, os dois começaram a tentar ter um filho.

"Basicamente, a única coisa que fiz foi parar de tomar pílula. Além, é claro, de praticar a receita natural para engravidar, com frequência, sempre que podíamos e queríamos", afirma Paula. 

De acordo com o IBGE, entre 2003 e 2012, o número de mulheres que engravidaram entre 40 e 44 anos teve um aumento de 17,6%. No último censo no país, realizado em 2010, revelou-se que 30,2% das mulheres brasileiras resolvem ter filhos entre os 30 e 44 anos. 

Fertilidade após os 40

É verdade que atualmente se vive mais. A expectativa média de vida do brasileiro está em torno de 75 anos e isso também pode ser um fator decisivo para a decisão de se ter filhos vez mais tarde.

Porém, a desvantagem de postergar a maternidade é a menor produção de óvulos nas mulheres. De acordo com médicos especialistas, há também mais chances de má formação congênita dos bebês. Mas antes de partir para a inseminação controlada, é recomendado primeiro tentar os meios naturais.

Quando estava com 42 anos, a jornalista Paula Autran teve uma conversa com sua ginecologista, que a alertou que a partir desta idade ficaria cada vez mais difícil engravidar naturalmente, sem tratamentos. A médica lhe indicou um teste de ovulação e indicou algumas datas para ter relações sexuais.

Embora a chamada 'tabelinha da fertilidade' tire um pouco da espontaneidade da relação sexual, ela pode ser uma forma de unir o útil ao agradável. Isso porque, a partir dos 40 anos, as mulheres ovulam com menor frequência e têm uma maior suscetibilidade a desenvolver a endometriose - doença em que o tecido que reveste o útero se fixa aos ovários ou às trompas, tornando a concepção mais difícil.

Outros problemas podem igualmente se acumular com a idade, como o aumento de peso e obesidade, que reduzem a probabilidade da mulher engravidar. Especialistas em reprodução humana recomendam que as mulheres com idade superior a 35 anos que não conseguirem conceber ao fim de seis meses, devem consultar um médico ou especialista em fertilidade, uma vez que muitos destes casos podem ser tratados.

"Fiz a tabelinha, mas confesso que foi meio estressante para nós dois esta coisa de dia marcado, obrigação por prazer. Deixamos o assunto meio de lado. Digo, sem deixar que virasse uma obsessão", relata Paula. E na volta de uma viagem a Paris e a Toscana, a jornalista descobriu que estava finalmente grávida, um ano depois de ter deixado de se prevenir através da pílula anticoncepcional.  

Sem estresse

Viajar, relaxar e não transformar o desejo de engravidar em angústia é o melhor a fazer quando se quer engravidar. Especialmente na fase em que a fertilidade começa a entrar em curva de declínio.

"O hormônios responsáveis pela maturação ovular e pela ovulação sofrem grande influência do sistema límbico (responsável pelas emoções) e pelo córtex cerebral. Portanto, o estresse pode interferir na rotina do casal e na produção de óvulos e espermatozoides", explica a médica Silvana Chedid, especialista em reprodução assistida.

Mas, se por um lado pode ser mais difícil engravidar nesta faixa etária, por outro há algumas vantagens em ser mãe após os 40. Estudos revelam que mulheres mais velhas, em geral, têm mais sabedoria do que as mais jovens e tomam melhores decisões em relação aos cuidados e à educação dos filhos.

As mães de 40 anos ou mais também costumam amamentar por mais tempo e escolher alimentos mais saudáveis para os filhos. E se a disposição física não é mais a mesma de antes, ao menos a calma e a paciência inerentes à maturidade podem transformar a maternidade em uma experiência ainda mais prazerosa.

Copyright foto: iStock
Este documento, intitulado 'Maternidade após os 40 anos é cada vez mais natural', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A Revista Da Mulher (https://www.arevistadamulher.com.br/) ao utilizar este artigo.