4
Obrigado

Veja 10 fatores que aumentam a expectativa de vida

Ter vida longa com qualidade é possível. Apenas é preciso fazer pequenas mudanças no dia a dia

Mudanças simples na rotina podem aumentar a expectativa de vida.


Quem não quer viver mais e poder passar mais tempo ao lado das pessoas que ama, sempre contando com boa saúde e alegria? Mas o desejo de vida longa da maioria das pessoas nem sempre é possível, apenas por causa de certos hábitos, como o sedentarismo,  que precisam ser mudados.

Foi pensando nisto que A Revista da Mulher listou  10 fatores que aumentam a expectativa de vida, capazes de conservar a saúde por muito mais tempo. Tratam-se de conselhos simples, como incluir uma rotina de atividades físicas no dia a dia ou parar de repetir atitudes que, muitas vezes,  sequer sabemos que nos fazem muito mal.

10 conselhos para aumentar a expectativa de vida


1) Tenha um relacionamento estável – Por mais que pareça estranho, foi um estudo desenvolvido na Universidade Duke, nos Estados Unidos, que mostrou que adultos solteiros têm maior risco de morte prematura do que aqueles que vivem com um companheiro

A pesquisa, feita com 4.800 pessoas. Segundo a pesquisa, quem nunca se casou teve mais do que o dobro do risco de morrer precocemente (60% a mais) do que  aqueles que um parceiro ou já haviam casado alguma vez na vida;

2) Não esconda suas emoções – Foi um artigo publicado no Journal of Clinical Psychology, da Inglaterra, que chamou a atenção para este fato. Segundo os autores, pessoas que manifestam suas emoções através de alguma atividade artística (cantar, escrever, pintar, etc.) tendem a ser bem mais saudáveis do que aquelas que escondem os sentimentos;

3) Não se esqueça de trabalhar a mente – Neste caso está mais do que comprovado cientificamente que a doença de Alzheimer atinge principalmente pessoas com baixo nível de instrução ou que não exercem uma atividade que exija algum esforço mental

Além disso, um estudo publicado no New England Journal of Medicine indica que a leitura, os jogos de cartas e de tabuleiro, assim como as palavras cruzadas, ajudam a reduzir os riscos de demência nas pessoas acima dos 75 anos de idade.

4) Não exagere no café, mas também não deixe de beber – De acordo com um estudo desenvolvido pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, beber três xícaras de café todos os dias já é o suficiente para prolongar a vida de pessoas acima dos 50 anos

 pesquisa mostrou que este hábito ajuda a reduzir em até 10% os riscos de mortalidade em um período de 12 anos. O café também já foi associado à prevenção de diversas doenças, entre elas o câncer de pele e o derrame.

5) Fuja do sedentarismo Este nem precisamos nos esforçar muito para convencer você sobre a importância. Existem inúmeros estudos apontando o sedentarismo como fator determinante para o aparecimento de doenças. Entre eles, um estudo feito na Dinamarca mostrou que uma corrida leve pode aumentar a longevidade em até seis anos. 

Outra pesquisa desenvolvida nos EUA provou que as atividades físicas de lazer, entre elas caminhar ou pedalar no parque, podem acrescentar até 4,5 anos na expectativa de vida de alguém. 

6) Coma peixe com frequência – Esta dica vale para pessoas de todas as faixas etárias, em especial para quem já entrou na terceira idade. De acordo com um estudo feito na Universidade Harvard, pessoas com mais de 65 anos que desejam ter uma vida mais longa devem comer peixes com mais frequência.

Entre os mais indicados estão a sardinha, o salmão e o atum, que são ricos em ômega-3, nutriente associado a benefícios à saúde cardiovascular. O mais indicado é consumir pelo menos duas porções por semana.

7) Busque uma vida mais saudável – Um estudo desenvolvido na Suécia que mostrou que adotar um estilo de vida saudável, ainda que na velhice, pode aumentar a longevidade. A pesquisa durou 18 anos e provou que não fumar, não beber em excesso e praticar exercícios físicos regulares pode aumentar em até cinco anos o tempo de vida, mesmo para quem já apesentava alguma doença crônica.

8) Coma castanhas ou nozes diariamente – Um estudo desenvolvido na Universidade de Harvard, publicado em 2013, mostrou que as pessoas que comem nozes, amêndoas, castanhas, avelãs e outras oleaginosas diariamente têm maior qualidade de vida e vivem por mais tempo

Os pesquisadores acompanharam mais de 120 mil pessoas ao longo de trinta anos, chegando à conclusão de que o risco de morrer foi 20% menor entre quem comia mais castanhas do que aqueles que nunca as consumiam. Isto porque estes alimentos contêm gorduras saudáveis e são ricas em fibras e proteínas, o que retarda a absorção do alimento e diminui o apetite. 

9) Aposte nos vegetais e reduza a carne vermelha – Não será fácil, mas este é considerado um ponto chave para aumentar sua expectativa de vida: coma mais frutas e verduras e diminua o consumo de carnes vermelhas. Segundo informações de um estudo desenvolvido na Suécia, quem segue essa recomendação vive, em média, três anos a mais do que quem nunca consome frutas e vegetais. 

Os pesquisadores acompanharam mais de 70 mil pessoas adultas durante 13 anos. Outro estudo que reforça esta ideia foi feito na Universidade Harvard e publicado em 2012, mostrando que o consumo de carne vermelha está associado a uma chance até 20% a mais de mortalidade.

10) Reduza o consumo de sal – Este conselho ataca um ponto crucial no combate a uma das principais causas de morte no mundo, que são as doenças cardiovasculares. Com a redução do consumo de sal é possível controlar ou prevenir a hipertensão arterial, que está diretamente ligada aos males do coração. A dica dos especialistas é que o consumo de sal seja de, no máximo, 6 gramas por dia, o mesmo que uma colher de chá diariamente. 

E para finalizar, lembre-se sempre de consultar um médico> O acompanhamento clínico  faz parte do processo do aumento da expectativa de vida, além de poer evitar que pequenos desconfortos transformem-se em doenças graves. 
 
Copyright foto: iStock
Este documento, intitulado 'Veja 10 fatores que aumentam a expectativa de vida', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A revista da mulher (www.arevistadamulher.com.br) ao utilizar este artigo.