0
Obrigado

Desafio da maternidade no Facebook reacende polêmica sobre o mito de ser mãe

Usuários da rede social mostraram-se intolerantes com mãe que não aceitou participar da brincadeira Desafios da Maternidade

Desafio da maternidade no Facebook levanta discussão sobre mito da maternidade após banir mãe que se recusou a participar.


Ao longo das últimas duas semanas, a rede social Facebook lançou uma brincadeira denominada Desafios da Maternidade. A proposta era que mães compartilhassem fotos de momentos felizes com seus filhos em seus perfis, marcando outras amigas consideradas 'boas mães', propondo-as a fazerem o mesmo. Mas na última segunda-feira (15), a dona de casa carioca de 25 anos,  Juliana Reis, mãe do bebê Vicente, se recusou a entrar na brincadeira.

Foi o suficiente para Júlia ser alvo da chamada 'patrulha da internet'. A intolerância ficou evidente após a dona de casa escrever um post para justificar o porquê de não participar do Desafio da Maternidade. "Desafio não aceito. Me recuso a ser mais uma ferramenta para iludir outras mulheres de que a maternidade é um mar de rosas e que toda mulher nasceu para desempenhar este papel", escreveu.

Juliana Reis e seu bebê, Vicente. A jovem carioca foi banida do Facebook por não aceitar o Desafio da Maternidade proposto pela rede social.


Juliana ainda finalizou com a frase que parece ter incomodado ainda mais "Quero deixar bem claro que amo meu filho, mas detesto ser mãe", desabafou. O relato gerou polêmica e apesar das mais de 100 mil curtidas e 19 mil compartilhamentos, muitas pessoas deixaram comentários agressivos e hostis na página da dona de casa no Facebook. Na última quarta-feira (17) Juliana chegou a ter seu perfil bloqueado, só voltando ao ar no dia seguinte. 

Mães humanas e nada perfeitas


O caso da jovem sincera que revela o lado nem tão sublime do endeusado papel de mãe fez reacender no país o debate sobre a aura de nobreza em torno da maternidade. A jornalista Martha Neiva Moreira foi uma das defensoras de Juliana. Para Martha, o episódio veio reforçar o fato de que as as mulheres-mãe são demasiadamente humanas e nada perfeitas. 

Durante a polêmica do Desafio da Maternidade em torno da 'mãe banida' do Facebook, Martha postou um vídeo com uma entrevista da  filósofa francesa Elisabeth Badinter, uma das defensoras de que o instinto materno é um mito.

"Não vejo nada de mais em participar do Desafio da Maternidade. Importante é poder escolher se quer participar ou não sem pressão, ou julgamentos. Exercitar a possibilidade de escolha é o que precisamos", disse a jornalista. 

A jornalista Martha Neiva Moreira foi uma das mulheres que defende a liberdade de mães mostrarem que o Desafio da Maternidade é diferente na vida real.

Desafio da Maternidade na vida real 


Especialistas já defendem há tempos que a mitificação do papel de mãe é algo prejudicial às mulheres. Segundo a filósofa, essa aura de sublime e transcendental que a sociedade incutiu na maternidade disfarça a realidade. Sem terem ideia de que a chegada de um filho causa muito estresse e mudança de vida, algumas mulheres entram em depressão e até negligenciam os cuidado com os filhos.

Em seu livro Um amor conquistado - O Mito do Amor Materno (Ed Nova Fronteira), a Elisabeth Badinter desconstrói sem dó nem piedade a idealização sobre a maternidade. Defendendo a ideia de que não existe o chamado instinto maternal, a filósofa afirma que o amor de mãe pelo filho é um sentimento desenvolvido e construído a partir da convivência e está longe de ser algo já programado pela natureza. 

Bem em linha com o que Juliana Reis tentou dizer ao recusar a brincadeira do Desafio da Maternidade na rede social. Ao romper com o status quo para mostrar o que vem a ser o desafio de ser mãe na vida real, com os sentimentos conflitantes inerentes à maternidade, a dona de casa carioca acabou denunciada por internautas e punida pelo Facebook.

Copyright fotos: iStock e Reprodução Facebook
Este documento, intitulado 'Desafio da maternidade no Facebook reacende polêmica sobre o mito de ser mãe', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A revista da mulher (www.arevistadamulher.com.br) ao utilizar este artigo.