Veja 6 sugestões de guloseimas para celíacos

Doença celíaca não impede que se desfrute de comidinhas muito saborosas

Dieta para celíaco pode incluir comidinhas gostosas e guloseimas saudáveis.


Quando se pensa em intolerância a glúten, logo vem à mente uma vida cheia de restrições alimentares. Se de um lado quem sofre de doença celíaca realmente precise seguir uma dieta sem glúten e ficar longe de alimentos que tenham em sua composição trigo, cevada, aveia e centeio, por outro há uma série de outras opções.
 
Quando bate a vontade de beliscar, há grande variedade de petiscos saudáveis e guloseimas saborosas, possíveis de serem consumidas sem perigo por celíacos. Além dos alimentos naturalmente sem glúten, a indústria alimentícia tem se empenhado em lançar produtos especiais para quem é intolerante a essa proteína
 
Já não é mais tão difícil encontrar nas prateleiras de mercados e lojas alimentos como pães e biscoitos produzidos com farinhas especiais e sem glúten. Ainda assim, é muito importante que o celíaco tenha o acompanhamento de um nutricionista, para melhor indicar as adaptações e substituições alimentares da dieta.
 
“Nem todo produto alimentício vendido como 'sem glúten' será uma opção saudável para consumo regular de quem sofre de doença celíaca. Muitos deles são pobres em fibras e nutrientes em geral, ricos em gordura saturada e/ou trans”, alerta a nutricionista Joice Amaro.
 

Alimento frescos são os ideais

Mestre em nutrição pela Deakin University da Austrália, Joice orienta os portadores de doença celíaca a ler rótulos e checar cada ingrediente utilizado nos produtos industrializados. A nutricionista também recomenda o consumo de alimentos in natura.
 
“Frutas frescas e secas, além de oleaginosas são sempre ótimas opções de lanches intermediários, principalmente para quem passa longo tempo fora de casa durante o dia”, diz a nutricionista.
 
Mas e aquelas comidinhas mais adequadas para o momento de gula? Quem é celíaco também tem direito! Tapioca, pão de queijo e até pipoca são algumas das dicas de nutricionistas para a satisfação dos celíacos gulosos.
 

Vela lista de 6 guloseimas para celíacos

1) Tapioca. Tão facilmente encontrada hoje em dia também é uma boa opção de lanche, mas deve-se  tomar cuidado com o recheio. “Preferir carnes magras como frango ou queijo magro, como minas e cottage. Incluir tomate e orégano no preparo ajuda a acrescentar um pouco de fibra a essa preparação”, orienta a nutricionista Joice Amaro;

2) Pão de queijo. Delícia tipicamente nacional, o consumo desta guloseima é ideal ideal para quem sofre de doença celíaca. Seu preparo inclui polvilho azedo, queijo curado e ovos. Tudo permitido em uma dieta sem glúten!

3) Pipoca. A pipoca ajuda a emagrecer e é um alimento muito saudável, se for preparada sem óleo em pipoqueiras elétricas. Com alto teor de fibras, promove rapidamente a sensação de saciedade, além de ser uma guloseima muito consumida em eventos sociais (cinema, festas juninas, festas infantis). Ótimo para não deixar quem tem doença celíaca sentindo-se um ‘peixe fora d’água’;

5) Biscoito de polvilho. Convém olhar o rótulo antes, mas a maior parte dos biscoitos de polvilho não contém glúten em sua composição. No Rio de Janeiro, é um dos petiscos mais tradicionais para se comer na praia, o que também ajuda ao celíaco se sentir integrado;

6) Milho verde. O milho verde cozido é um alimento gostoso, de baixa caloria e muito saudável. Com alto teor de fibras, é muito recomendado para quem tem doença celíaca;

7) Aipim frito. Essa delícia de petisco pode ser ingerida sem causar reações a quem sofre de doença celíaca, quando preparado em casa. O problema de ingerir na rua é que o alimento pode ser frito no mesmo óleo usado para a preparação de salgadinhos de empanados, que usam farinha que contém glúten. Também é preciso comer em quantidade moderadas,  pois trata-se de um alimento gorduroso.

Copyright foto iStock
Este documento, intitulado 'Veja 6 sugestões de guloseimas para celíacos', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A revista da mulher (www.arevistadamulher.com.br) ao utilizar este artigo.