4
Obrigado

Paralisia infantil: conheça as causas e como prevenir da poliomielite

Doença incurável, a poliomielite foi erradicada no Brasil após campanhas para a vacinação de crianças, mas é importante continuar atento

Doença foi erradicada no Brasil por meio da vacinação.


Entre as doenças que mais assombravam pais e mães no século passado esta a paralisia infantil, também conhecida como poliomielite. Trata-se de uma doença infecciosa grave, que leva à paralisia permanente de alguns músculos do corpo, que afetou inúmeras crianças no Brasil até o final da década de 1980. 

Segundo informações do Ministério da Saúde, o último caso de paralisia infantil registrado no Brasil foi em 1989, sendo a poliomielite erradicada no país por meio da cobertura vacinal, que hoje atinge 95% das crianças. Estes são os números que colocaram o Brasil na situação de exemplo para os demais países. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que os casos confirmados da doença no mundo caiu 99% desde o ano de 1988, de 350 mil para 406 notificados (2013).

Causa da paralisia infantil

De acordo com o pediatra Carlos Torres de Almeida, poliomielite é uma doença causada por meio da infecção pelo poliovírus, o que pode acontecer através do contato direto com uma pessoa infectada, além do contato com o muco, catarro ou fezes contaminadas. “Este vírus entra pela boca e nariz do paciente, se multiplicando por toda a garganta e trato intestinal. É a partir deste momento que ele alcança a corrente sanguínea, caminho que pode o levar até o cérebro”, afirma. 

Carlos Almeida explica que quando a infecção ataca o sistema nervoso, ela acaba destruindo os neurônios motores, o que naturalmente leva à paralisia nos membros inferiores. “É importante lembrar que a pólio pode inclusive provocar a morte do paciente, caso sejam infectadas as células nervosas responsáveis por controlar os músculos respiratórios e de deglutição”, ressalta.

O vírus pode permanecer incubado no corpo da criança por um período entre cinco e 35 dias, apesar de que o mais comum é que os primeiros sintomas apareçam já na segunda semana após a contaminação.

Sintomas da Poliomielite

O especialista afirma que entre os principais sintomas da paralisia infantil é possível destacar a forte dor nas costas, no pescoço e músculos; febre; paralisia dos músculos de uma das pernas, braços, torácicos ou abdominais; retenção urinária. Além disso, em casos mais raros, é possível que o paciente apresente também certa dificuldade em falar e engolir, além de insuficiência respiratória pelo acúmulo de secreções.

Principais fatores de risco da doença

É consenso entre os especialistas que o principal fator de risco para se contrair a paralisia infantil é a não imunização, principalmente em áreas onde não há saneamento básico.

Apesar de ser mais comum em crianças - o que justifica o nome popular - a poliomielite pode também ser contraída por adultos que apresentem um sistema imunológico enfraquecido, principalmente mulheres grávidas, idosos e portadores do vírus HIV

Prevenção

Por se tratar da única maneira de se manter longe da doença, a vacinação deve ser feita rigorosamente de acordo com o que foi determinado internacionalmente pela OMS. Para as crianças, a vacina deve ser feita em 4 doses, sendo que três são dadas com intervalo de dois meses (2 meses de vida, depois 4º e 6º mês) e o reforço da vacina é dado no 15º mês da criança.

No caso dos adultos, a vacinação contra a poliomielite somente será indicada caso o indivíduo não tenha sido vacinado quando criança e esteja com viagem marcada para algum país no qual a doença ainda não tenha sido erradicada. Nestes casos, são aplicadas 3 doses da vacina, sendo que a segunda dose entre 1 ou 2 meses depois da primeira e a terceira após um intervalo de 6 a 12 meses após a segunda. 

Copyright foto: iStock
Este documento, intitulado 'Paralisia infantil: conheça as causas e como prevenir da poliomielite', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A Revista Da Mulher (https://www.arevistadamulher.com.br/) ao utilizar este artigo.