0
Obrigado

Sushi burrito é a nova mania gastronômica em Nova York

Tradicional bolinho de arroz japonês ganhou versão encorpada ao estilo do quitute mexicano e virou sensação entre os norte-americanos

O restaurante Sushirrito, em São Francisco, foi o precurssor no conceito do sushi burrito, mistura do tradicional bolinho de arroz japonês e o famoso quitute mexicano.


A cada temporada, os nova-iorquinos provam que são mestres em cultuar tendências gastronômicas que vão do mais requintado ao bizarro. Depois da mania absoluta do cronut, é a vez do sushi burrito virar sensação entre os amantes de comida em Nova York.

Como o nome sugere, trata-se da mistura de duas iguarias adoradas pelos norte-americanos: sushi e burrito. Na prática, o tradicional bolinho de arroz japonês ganhou a forma alongada e encorpada do famoso quitute mexicano, muito parecido com um temaki cilíndrico. Porém, é o cliente que escolhe tudo o que quer colocar no recheio, entre as mais diversas opções de insumos: atum, salmão, camarão, kani, legumes, vegetais, avocado, molhos variados e até frango teriyaki. 

Criada pelo restaurante Sushirrito, de São Francisco, na costa oeste dos Estados Unidos, a novidade chegou ao mercado ainda no final de 2015 e trouxe o conceito de servir sushi de qualidade de uma forma mais rápida e barata. Ainda que questionável, a ideia não demorou a se espalhar por outras grandes cidades norte-americanas.

Em poucos meses, o sushi burrito virou assunto entre os fãs de gastronomia em Nova York, onde atraiu um público cativo e ganhou uma porção de endereços dedicados a servir a versão exagerada do rolinho japonês. E o sucesso não foi à toa: é possível encontrar restaurantes que servem o prato em tamanho generoso a menos de 10 dólares. Será que a moda pega no Brasil?

Copyright foto: ©SUSHIRRITO / Reprodução
Este documento, intitulado 'Sushi burrito é a nova mania gastronômica em Nova York', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A revista da mulher (www.arevistadamulher.com.br) ao utilizar este artigo.