0
Obrigado

Scarlett Johansson afirma que monogamia “não é natural”

A atriz de 32 anos, que se separou recentemente do jornalista francês Romain Dauriac, disse ainda em entrevista à Playboy que casamento exige “muito trabalho”

Para Scarlett Johansson, casamento "dá muito trabalho".


Separada desde o ano passado do jornalista francês Romain Dauriac, Scarlett Johansson parece ter opiniões um tanto céticas com relação a vida conjugal. Em uma entrevista inédita concedida à revista Playboy americana, a atriz de 32 anos disse acreditar que monogamia “não é natural” e que casamento exige “muito trabalho”.

“Bem, com todo ganho há uma perda, certo? Então isso é uma perda. Você tem que escolher um caminho. Acho que a ideia de casamento é muito romântica; é uma ideia linda e a prática dele pode ser uma coisa muito bonita. Eu não acho que é natural ser uma pessoa monógama. Eu posso ser alfinetada por isso, mas eu acho que dá trabalho. Dá muito trabalho”, afirmou ela à publicação, que estará nas bancas em março.

“O fato do casamento dar tanto trabalho para tanta gente – para todo mundo – prova que ele não é uma coisa natural. O casamento é algo que respeito muito e na qual já participei, mas acho que ele definitivamente vai contra algum instinto de olhar adiante”, acrescentou. Na entrevista, Scarlett ainda falou sobre o peso da responsabilidade que cerca um matrimônio, uma vez que ele “muda tudo” no relacionamento entre duas pessoas.

Scarlett Johansson e Dauriac começaram a namorar em 2012 e se casaram em 2014. Juntos, os dois tiveram uma filha, Rose Dorothy Dauriac, de 2 anos, que nasceu antes do casal subir ao altar. Além do jornalista, a atriz chegou a ser casada por três anos com o também ator Ryan Reynolds, de quem se divorciou em 2011.

Copyright foto: INB/WENN.COM/SIPA

Este documento, intitulado 'Scarlett Johansson afirma que monogamia “não é natural”', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A revista da mulher (www.arevistadamulher.com.br) ao utilizar este artigo.