0
Obrigado

Vestido e véu: o casamento perfeito

O véu para noivas é o acessório que dá o toque final no look do grande dia. Saiba como combiná-lo com o vestido para evitar uma gafe fashion no dia do casamento

Véus longos, como o nuvem, e o véu médio são os queridinhos das noivas.


Escolher o vestido perfeito está entre as maiores preocupações das noivas. Mas quem opta por usar véu, não pode esquecer que a escolha desse acessório deve ser feita em harmonia com o vestido para não estragar a look do grande dia.


Segundo Eliane Pavini, hairstyle e proprietária do Salão Shampoo Intercoiffure, “os véus podem ser personalizados e feito de acordo com a personalidade de cada noiva”. O mais importante, ressalta, é que ele sempre deve combinar com o estilo da noiva e, claro, com o vestido. 


Os tipos de véus

Stella Maris Resende, consultora de estilo da Nouveau, explica que os véus são divididos entre o comprimento e elementos. Os comprimentos são: muito longo, longo, altura da ponta do dedo, do cotovelo e do ombro, sendo esses dois últimos menos usados. 


A maneira que os elementos são usados, por sua vez,  difere os véus em vários estilos, como o véu cascata (camadas), o véu nuvem, o véu médio e a mantilha.


O véu cascata, explica a especialista, é o mais tradicional, usado normalmente por noivas que casam na igreja e que gostam do véu com bastante destaque. Ele tem camadas de tule e muito volume.


Modelo de véu cascata, com camadas de tule e bastante volume.


Já o véu nuvem é despojado e o mais versátil de todos, pois combina com todos os ambientes (campo, praia, igreja, espaço fechado). É um véu de tule, cortado à fio, que acompanha o comprimento do vestido. Ele vela, mas não tampa, deixando o grande destaque sempre para o vestido. É como um véu de santa, que tem uma camada única e acompanha o caimento do vestido.


O véu nuvem tem um único caimento, deixando o destaque por conta do vestido.


O véu médio, por sua vez, pode ir até a altura do cotovelo ou da ponta do dedo. Muitas vezes tem o molde redondo que cobre a cabeça ou é usado para trás, em camada dupla. Pode ter renda aplicada em sua cauda ou pode ser cortado a fio. É bastante usado nas cerimônias judaicas.


O véu médio é tradicional em cerimônias judaicas.


Por último, a mantilha, também uma das mais usadas. Ela é toda contornada ou feita em renda. Costuma ser usada por noivas mais tradicionais que se casam em igreja ou catedrais e que gostam do véu com bastante destaque. Normalmente tem a cauda grande e mais trabalhada.


A mantilha é para quem gosta de dar destaque para o véu. Possui detalhes em renda.


Véu X Vestido

Já está claro que a escolha do véu vai depender do gosto e do estilo da noiva, mas assim como Pavini, Stella ressalta que nem todo vestido combina com todos os tipos de véus. 


O véu cascata e a mantilha, por exemplo, combinam com vestidos que tenham menos elementos e informações, pois eles são mais chamativos e podem conflitar com um vestido muito rico de detalhes como bordados e rendas. Sendo assim, são mais indicados para quem opta por vestidos clássicos.


Já o véu nuvem encaixa bem com todos os tipos de vestidos longos, pois é mais clean e muito versátil. Combina tanto com um vestido mais básico quanto com um vestido com rendas, bordados, volume e camadas.


Os véus curtos - na altura do ombro, cotovelo, cintura ou ponta do dedo - são os mais indicados quando o vestido é curto, pois equilibram o look. Quando o casamento é na praia, esse modelo também é uma boa opção. 


Os queridinhos

As duas especialistas em véu fizeram um ranking dos véus mais amados pelas noivas. Segundo Pavini, o mais usado hoje em dia são os véus longos – independente do estilo. “É o preferido das noivas e nunca sai de moda.” Já Stella cita o véu nuvem e o véu médio como os queridinhos. “São os mais versáteis e mais elegantes”, finaliza.


Copyright fotos: Imaxtree

Este documento, intitulado 'Vestido e véu: o casamento perfeito', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A revista da mulher (www.arevistadamulher.com.br) ao utilizar este artigo.