0
Obrigado

Bebês amamentados por mais tempo têm renda maior quando adultos

Estudo publicado pela revista médica The Lancet revela que crianças que mamam mais tempo no peito serão adultos mais bem-sucedidos financeiramente no futuro

Amamentação por até dois anos pode fazer bem também à saúde financeira do seu filho, mostra estudo.


Bebês que mamam no peito por pelo menos dois anos tornam-se adultos com mais alto grau de estudo e melhores ganhos financeiros. É o que revela uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (18) pela conceituada revista britânica The Lancet, especializada em estudos médicos e científicos. A pesquisa foi realizada no Brasil.

Pesquisadores da cidade gaúcha de Pelotas acompanharam 6 mil crianças na ocasião do seu nascimento e durante o período de aleitamento até as três décadas seguintes. Do grupo estudado, os hoje adultos com cerca de 30 anos, 3.500 aceitaram dar entrevistas para a finalização dos resultados.

Aqueles que foram amamentados pela mãe durante mais tempo mostraram-se mais inteligentes (através de teste de QI), têm nível de escolaridade superior aos demais e, muito provavelmente por consequência, são mais prósperos e ganham melhor do que aqueles que não foram amamentados ou foram por menos tempo.

Sobre as vantagens para a saúde física do aleitamento materno já existem provas suficientes. Mas para o médico Bernardo Lessa Horta, da Universidade Federal de Pelotas, o estudo "fornece as primeiras evidências de que o prolongamento da amamentação não apenas é capaz de aumentar a inteligência até os 30 anos de idade, mas também influencia na vida do indivíduo, em seu nível de escolaridade e em sua prosperidade”, segundo declarou ao jornal inglês The Guardian.

Copyright foto: iStock
Este documento, intitulado 'Bebês amamentados por mais tempo têm renda maior quando adultos', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o A Revista Da Mulher (https://www.arevistadamulher.com.br/) ao utilizar este artigo.